Posts Tagged 'Pousada Patacho'

Especial: Pousada Patacho na Condé Nast Johansens

É com prazer que escrevo esse post especial!

A aconchegante Pousada Patacho, no norte de Alagoas, foi reconhecida pelo guia de viagem Condé Nast Johansens atendendo a critérios de seleção que englobam serviços de qualidade, exclusividade e luxo. O Condé Nast Johansens iniciou sua atividade na França e é irmão das revistas Vogue, Condé Nast Traveler, Vanity Fair e de outras desse mundo abastado.

Acomode-se

Por se enquadrar nesses itens, que na minha opinião garantem a satisfação e a experiência – valores máximo, e também esbanjar carisma, a Pousada Patacho passa a fazer parte desse seleto grupo de hotéis e restaurantes espalhados por mais de 50 países. Será a menor pousada a compor essa lista de grandiosos nomes da hotelaria internacional.

Eu avisei a você que o Christian, francês proprietário, tinha caprichado. Estar no Condé Nast Johansens não é pra qualquer um.

Reveja o post e as muitas fotos da Pousada Patacho clicando aqui.

Aproveite!

🙂

Último: Férias – Rota Ecológica – Praia do Patacho/AL

Saindo da Praia do Toque fui em direção a Praia do Patacho, no município de Porto de Pedras/AL. Não é a aldeia indígena patachó. É Patacho, sendo “ta” a sílaba tônica.
Em 10 minutos, passando pelo povoado, cheguei e entrei sem bater. Não! Não por ser intrometido – ou até um pouco, risos – mas por me sentir em casa. Sim! Por ser um lugar onde você esquece que está fora de casa, tamanho é o aconchego, a tranquilidade e a liberdade na Pousada Patacho.
Ela foi inaugurada em dez/07 com todos os 3 apartamentos ocupados e é única na praia. Enquanto hospedado só via os jangadeiros e pescadores que moram por ali e sobrevivem da pesca. Christian, um francês que saiu da França, morou no Brasil, no México e depois de um tempo voltou para a nossa terra, investiu o seu tempo para realizar o sonho de morar num paraíso. Ele conseguiu e, hoje, divide isso com aqueles que buscam a simplicidade na elegância e na sofisticação. Posso dizer isso porque essa foi a segunda vez que fui à Patacho, e confesso que quero voltar muitas vezes.
Uma amiga minha diz que é a falsa simplicidade de um lugar rústico-chique. Desde tijolos de barro feitos na região à objetos trazidos da terra natal do Christian. A pousada tem os ares do sul da França, diz ele. Um pouco da Provence no Brasil. Você quer mais o que?! Eu, nada, somente curtir as fotos que revejo sempre.
Pousada Patacho

Pousada Patacho

Recepção

Recepção

Recepção

Recepção

Visão geral

Visão geral

Visão geral

Visão geral

Descanso

Descanso

Entre o tempo de disposição de uma nova peça de decoração e a escolha de plantas exóticas que complementam a pousada, o Christian consegue encontrar maneiras de deixar a pousada melhor. O pergolado que anteriormente permitia a entrada de luz e calor na área de descanso, mas que também limitava o uso do espaço em caso de chuva, foi substituído por uma gazebo no mesmo estilo da pousada. Quem não viu antes não diz que foi feito depois da construção da pousada. Tudo é lindo e compõe perfeitamente a proposta da pousada. Um estilo de vida!
Antes...

Antes...

...e depois

...e depois

De fato um extremo bom gosto

De fato um extremo bom gosto

Os apartamentos Estrela, Lua e Sereia são exclusivos. Ninguém te vê e você também não vê ninguém. Somente o mar. Ah, o mar! Azul turquesa. Da cor das janelas!
Sereia

Sereia

Deck Sereia

Deck Sereia

Deck Sereia

Deck SereiaDescanso garantido

Será que vale a pena levantar?

Será que vale a pena levantar?

Falsa simplicidade

Falsa simplicidade

Banheiro Sereia

Banheiro Sereia

Varanda

Varanda

Recebendo e fazendo amigos

Recebendo e fazendo amigos

O cardápio estruturado por um chef francês é materializado pelo chef Dudu, que conduz o restaurante da pousada. Ele arrasa na harmonização das texturas, aromas e sabores. Escolhi alcachofra, peixes, camarões, lagostins e massa e não me arrependi em nenhum deles. Mergulhei nas sensações e hoje luto contra a balança…huhuhu.
Restaurante

Restaurante

Restaurante

Restaurante

E o momento comilança começa...

E o momento comilança começa...

Couz-couz

Couz-couz

Massa ao molho de camarões e limão

Massa ao molho de camarões e limão

Badejo recheado com siri desfiado

Badejo recheado com siri desfiado

Moqueca mista

Moqueca mista

Peixe ao molho de pistache, couz-couz e batatas

Peixe ao molho de pistache, couz-couz e batatas

Filézinho de frango, arroz, tomate e fritas

Filézinho de frango, arroz, tomate e fritas

O auxílio na cozinha é por conta das queridas meninas Vika e Morena. Cada uma com sua especialidade e delicadeza consegue cativar o hóspede e fazer tudo se tornar mais gracioso.
Decoração by Vika e Morena

Decoração by Vika e Morena

Mousse de capim santo/erva cidreira

Mousse de capim santo/erva cidreira

Maria Sem-Vergonha: deixou de ser figurante para protagonizar nessa cena

Maria Sem-Vergonha: deixou de ser figurante para protagonizar nessa cena

Composição

Composição

Luz e sombra na medida certa

Luz e sombra na medida certa

Vespertinos

Vespertinos

Pássaros-Reais? Sim, por reinarem mesmo sem vida!

Pássaros-Reais? Sim, por reinarem mesmo sem vida!

Français: Sirene

Français: Sirene

E lá está a ordinária, ou melhor, sem-vergonha!

E lá está a ordinária, ou melhor, sem-vergonha!

É foooogo

É foooogo

Caminhei atééééé lá no final da praia e depois esperei a lua nascer ao pé do mar. Espetáculo a parte.
Praia do Patacho = paraíso

Praia do Patacho = paraíso

Vendo a vida passar, até porque a praia é deserta!

Vendo a vida passar, até porque a praia é deserta!

Um guia local me levou ao farol de Porto de Pedras. Muitas pessoas dependem do farol, por isso a Marinha o mantem ativo e muito bem cuidado. Tomei coragem e subi os muitos lances de escada, onde os degraus são barrinhas de ferro, e cheguei no topo para contemplar a vista do final de uma tarde um pouco nublada. Mesmo assim pude ver como Deus é bom.
Vista do farol

Vista do farol

Sapeca

Sapeca

Retornando à Terra

Retornando à Terra

Os preparativos para o retorno foi atribulado pois na madrugada do último dia choveu 50% do que teria que chover no mês. Fiquei ilhado e não pude retornar para Recife a fim de pegar o voo para SP. A ajuda do Christian nesse momento foi essencial, pois fiquei pendurado no telefone da pousada até saber que a remarcação pela TAM não valeria a pena. R$ 700 além do que eu já havia pago…sem condições. Comprei um bilhete aéreo na Azul para partir 2 dias depois e por Maceió, isto é, fiquei até o último minuto no paraíso para depois voltar à Terra. Cheguei em SP troquei de roupa e fui para o escritório. Felizão da vida. 
Felizmente a natureza, o clima, as praias, as pousadas e principalmente as pessoas são o que compõem o que nós temos de mais especial, a arte da hospitalidade!

Siga-me no Twitter